O que é mídia paga?

Você com certeza já ouviu falar em mídia paga, mas ainda tem dúvidas sobre como ela funciona e como você pode colocá-la na sua estratégia, certo? Neste texto, nós vamos ajudar você a entender melhor como ela funciona.

Já é um bordão da área de comunicação a história de que é preciso aparecer e ser visto para ser (re)conhecido e lembrado. Mas, com a concorrência aumentando exponencialmente, o desafio de destacar as marcas e seus clientes tem demandado cada vez mais energias e estratégias. Segundo pesquisa divulgada pela revista Exame, o Marketing Digital tende a crescer cerca de 12% até o ano que vem e é nesse contexto que a mídia paga faz o seu papel.

Quando se fala de mídia, estamos tratando de uma série de formatos que, utilizando materiais diversos como textos, imagens, vídeos, áudios, formam estratégias para comunicar, divulgar e impulsionar informações, produtos ou serviços. Esse investimento era feito por meios convencionais como rádio, televisão, revistas, jornais, trazendo um retorno efetivo, mas com limitações de alcance e segmentação. Com a utilização unânime da internet entre os meios de informação e a adaptação do digital no comportamento do consumidor, portas se abriram para o que chamamos de mídia paga.

Este tipo de ferramenta de publicidade tem o propósito de dar destaque a uma marca no ecossistema digital, independente de porte ou segmento, para que sua visibilidade seja aumentada, gerando (mais) reconhecimento, atraindo (novos) clientes, fidelizando e, consequentemente, viabilizando (e escalando) conversões mais rapidamente. Nesse sentido, a mídia paga nada mais é do que um investimento em patrocínio para a veiculação de anúncios em canais virtuais que possuam grande alcance e audiência. Esse recurso venceu as limitações das mídias tradicionais e criou a oportunidade de investir também para os pequenos negócios.

O serviço é oferecido por motores de busca, redes sociais, portais parceiros de grandes empresas e ferramentas de publicidade, como Google Ads e Facebook Ads. Por meio desses canais, o anunciante de uma marca consegue escolher as características dos usuários que serão impactados, direcionando para um público específico, também de acordo com o ponto em que se encontram na jornada de compra (funil de vendas) e do objetivo da campanha.

Vantagens desse tipo de investimento

Os benefícios de investir em mídia paga são inúmeros, mas separamos aqui os principais. São eles:

Número expressivo de formatos existentes para divulgar em diversos canais, seja em sites de pesquisa, praticamente todas as redes sociais mais utilizadas atualmente, portais de comunicação ou mesmo gerando conteúdo, como blogs.

Possibilidade de segmentar seu público por interesses, gênero, localização, idade, renda, ações realizadas na internet, em qual etapa se encontra no funil de vendas e outras informações que podem ser coletadas e cruzadas para alcançar diretamente os consumidores ideais para o seu negócio.

Flexibilidade no orçamento é real (há opções de anúncios a partir de R$ 1,00 por clique), inclusive, algumas plataformas, como o Facebook, não impõem limite mínimo para investir. Assim é possível começar com um valor baixo (ou com o valor que desejar) para testar, até que se familiarize com a ferramenta e tenha os primeiros resultados. Além disso, durante as campanhas, alterações ou pausas podem ser feitas a todo momento.

Mensuração do retorno por meio da análise de dados que os gerenciadores oferecem. Dessa forma, os resultados das ações podem ser filtrados e estudados: a quantidade de cliques, de compras por meio desse link patrocinado, de desistências após o clique, e tornando mais fácil e rápida a otimização.

Os primeiros investimentos servirão de teste para descobrir quais canais usar, quais formatos fazem mais sentido a persona da sua marca e quanto é preciso investir para atingir o retorno desejado. O sucesso da campanha vai estar diretamente relacionado a esses pontos e às configurações de segmentação, as palavras-chave selecionadas, à escolha e à qualidade dos materiais para os anúncios para a análise.

Métricas mais importantes em mídia paga

Quer saber quais as métricas você precisa conhecer para começar?

  • Custo por clique, o CPC, que calcula a média do valor pago por cada clique recebido;
  • Taxa de cliques, a CTR, identifica a porcentagem de cliques recebidos nos anúncios em relação à quantidade de exibições que tiveram;
  • Custo por mil impressões, conhecido por CPM, é o valor pago a cada 1000 impressões de um anúncio;
  • Custo por lead, o CPL, calcula o valor pago por cada lead, ou seja, um visitante que demonstrou interesse pela sua marca e que ainda não se decidiu pela compra;
  • Custo por aquisição, o CPA, mostra quanto é investido para obter uma conversão.

Tipos de anúncios, canais e suas métricas específicas

Motores de busca

Um relatório da Visual Capitalist afirma que, aproximadamente, 3,8 milhões de buscas são realizadas no Google e 4,5 milhões de vídeos são vistos no YouTube a cada minuto. Na maioria das telas iniciais, de Smartphones, Computadores ou SmarTVs, esses buscadores estão presentes no dia a dia dos potenciais clientes de todas as marcas. Então, veja como anunciar e analisar o retorno neles:

– O Google disponibiliza tipos de anúncios diferentes para Rede de Pesquisa, Rede de Display, Google Shopping, Vídeo e App. Os formatos variam entre Texto, Responsivo, Gráfico, Promoção de App, Shopping, Showcase, Anúncio para Chamadas.

Quer receber conteúdo exclusivo no seu e-mail?
Obrigado pelo cadastro!

– Os principais formatos pelo Bing são anúncios de texto expandido, produtos, audiência da Microsoft, instalação de aplicativo, pesquisa dinâmico, pesquisa inteligente, venda de texto padrão e Bing Ads.  

– Com o YouTube, os anúncios podem ser In-stream puláveis, In-stream não puláveis, Out-stream, Video Discovery, Bumper ou de Masthead. A mensuração da performance da mídia se baseia nas visualizações, nos seguidores e suas preferências, nos likes e no tempo gasto ao assistir os vídeos.

Redes sociais

Passando para as redes, sabemos que os investimentos das marcas em anúncios pagos nas mídias sociais cresceram 26% de abril a junho deste ano em relação ao primeiro trimestre, como revela o “Social Media Trends Report” um estudo da Socialbakers. Mas vamos aos detalhes de cada uma delas:

– O Facebook oferece anúncios em Imagem, Vídeo, Coleção, Carrossel, Multimídia, Canvas, Leads Ads e Dark Post, mensurados por meio da quantidade de curtidas, do alcance, comportamento e interação nas publicações e a análise das pessoas.

– Com o Instagram, as modalidades são Imagem única, Vídeo único, Carrossel, Apresentação Multimídia e Coleção, verificadas pela quantidade de seguidores, impressões, interações, do alcance e do engajamento.

– Nos Stories, as possibilidades são Imagem única, Carrossel e Vídeos, e as métricas para entender as reações dos usuários às postagens são as interações, descoberta, saídas, respostas e os toques para voltar e toques para avançar.

– No LinkedIn, os formatos podem ser Conteúdo Patrocinado, Anúncios em Texto, em Exibição, em Vídeo, Dinâmicos ou Mensagem Patrocinada. Faz sua mensuração analisando dados dos visitantes, as atualizações, por meio do “gostei”, dos comentários, compartilhamentos, o número e informações dos seguidores.

– O Twitter também tem grande potencial para o alcance de novos clientes, com ele, é possível promover Texto, Imagem, GIF, Enquete ou Conta. Então, se identifica o número de menções recebidas, as visitas ao perfil, as impressões dos tweets e informações relevantes sobre os seguidores.

Ainda de acordo com pesquisa da Socialbakers, dentre as redes, o Facebook continua sendo líder nos gastos com anúncios patrocinados e audiência das marcas, com 58,3%, mas os outros principais canais também têm atingido bons números. Na audiência total, assim como nas interações e no engajamento em posts e stories (formato este que têm superado os investimentos em publicações do feed) do Instagram, por exemplo, vêm ultrapassando o Facebook em mais de 30%.

 Portais

– Já nos portais, os principais formatos disponíveis são Banners Horizontais, Verticais, Botões, Billboard, Filmstrip, Portrait, Pushdown, Sidekick e Slider.

Todos esses fatores, a quantidade de formatos e canais adaptáveis aos seus objetivos e público, as vantagens de flexibilidade, o poder de escolha do seu orçamento e a possibilidade de obter dados, análises e retornos mais rapidamente, deixam claro que a utilização de mídia paga é mais do que uma tendência, mas uma necessidade.

Se servir dessa estratégia, aliada a outras, pode contribuir de maneira significativa para o desenvolvimento e crescimento do branding e das vendas do seu negócio. Junto das ações orgânicas, como SEO e geração de conteúdo relevante, invista em mídia paga. Mesmo em meio à alta competitividade, ela pode impulsionar seus anúncios, atrair visibilidade de clientes potenciais, gerando leads mais qualificados, além de aumentar a exposição, o tráfego, o buzz e as conversões da sua marca.